PREFEITURA E CASAN INAUGURAM UNIDADE DE DESPOLUIÇÃO DA BEIRA MAR

Gean Loureiro:"Não só pelo fato de entregar a obra em tão pouco tempo, mas também pela questão histórica das pessoas acharem que era um feito impossível”.

A Prefeitura de Florianópolis e a Casan, como parte das comemorações dos 346 anos de Florianópolis, entregam amanhã, às 10 horas, uma das principais obras de defesa do meio ambiente da história de Florianópolis
O projeto que devolve a balneabilidade à Beira-Mar Norte, traz o caráter de inovação e ineditismo, devolvendo a área mais democrática da Capital à população e recupera um cartão-postal do Estado.

Inspirada em modelo bem sucedido na Califórnia (EUA), a proposta, adaptada pela equipe técnica da CASAN para Florianópolis, é a primeira do país que pretende recuperar a balneabilidade de uma praia historicamente contaminada tratando a degradação que chega pelas redes de drenagem. No caso, trata-se de uma praia poluída há pelo menos meio século devido às ligações clandestinas de esgoto que escorrem pelos canais de drenagem da chuva em direção à Baía.

MARCO HISTÓRICO

Para o Prefeito Gean Loureiro, trata-se de um marco para a cidade de Florianópolis. “Tenho muito orgulho como manezinho e como Prefeito de colocar em prática esse projeto e agora proporcionar essa experiência para a população. Não só pelo fato de entregar a obra em tão pouco tempo, mas também pela questão histórica das pessoas acharem que era um feito impossível”, acrescenta.

BALNEABILIDADE

A obra foi executada entre 15 de março de 2018 e 8 de março de 2019. No período de um ano o consórcio vencedor da licitação (Fast/CFO) implantou 3,6 mil metros de rede em uma área de grande movimentação de pedestres, instalou 15 grandes estruturas de concreto e 31 válvulas bloqueadoras (tipo bico-de-pato) e ergueu uma Unidade de Recuperação Ambiental (URA) com capacidade para tratar até 13 milhões de litros/dia.

São 13 milhões de litros de água limpa que podem ser despejados diariamente na Baía, ajudando a limpar a área poluída – cujo processo de descontaminação contará também com a ação das correntes marítimas, dos raios solares e do sal presente na água.

Com a conclusão da obra física em 8 de março – quando cessou a chegada da poluição à Baía -, a Casan intensificou as análises laboratoriais da água. O objetivo agora é acompanhar a redução da contaminação até alcançar os padrões ideais de balneabilidade, o que deve ocorrer ao longo dos próximos 90 ou 120 dias aproximadamente.

Orçado inicialmente em R$ 24 milhões, o preço da obra caiu para R$ 17,1 milhões na disputa de licitação – mas somará R$ 18 milhões ao final com acréscimos motivados por alterações na parte elétrica do projeto e por interferências no assentamento da rede.

“É um custo baixo se levado em conta que a despoluição total da Baía envolvendo os demais municípios foi estimada, no passado, em cerca de R$ 1 bilhão”, diz o engenheiro Joel Horstmann, Superintendente Regional Metropolitano, responsável pela obra. “Sem falar que a balneabilidade permitirá, além do aproveitamento de lazer e a recuperação ambiental, o desenvolvimento turístico e econômico de toda a região”.

- Parceiro -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, informe seu nome