DEPUTADOS CLASSIFICAM GOVERNO CARLOS MOISÉS COMO DE “CALAMIDADE ADMINISTRATIVA”

Classificando a situação do governo Carlos Moisés como de “calamidade administrativa”, deputados estaduais cobraram o afastamento imediato do secretário da casa Civil, Douglas Borba. Três parlamentares – Ada de Luca (MDB), João Amin (PP) e Laércio Schuster (PSB) defendem a exoneração do secretário Para Ada de Luca, Borba já deveria ter sido afastado antes, diante do que chamou de “escândalo do hospital de campanha”. “Acho que nem deveria ter assumido um cargo tão importante no governo”, avaliou.

Segundo a parlamentar, os outros dois servidores envolvidos na compra – Márcia Pauli, ex-superintendente de gestão administrativa, e Helton Zeferino, ex-secretário de Estado da Saúde – declararam ter havido pressão da Casa Civil na decisão da compra. “O Borba veio a público dizer que era tudo mentira, que nada teve a ver com o caso. Mas, na mesma entrevista, disse que tudo passa pela Casa Civil. Isso não passou?”, questionou.

O deputado João Amin classificou o caso como “uma novela ou série em que cada capítulo ou episódio é pior do que o outro”. “Se o Douglas Borba não sair ou for mandado embora, vai sangrar o governo Moisés por muito tempo. Hoje, no Jornal do Almoço, só não se viu uma cara de desfaçatez, uma cara de pau, porque estava com a máscara”, disse Amin, numa referência à entrevista do secretário Borba à NSC TV.

Amin também cobrou uma “atitude enérgica” do governador Carlos Moisés da Silva no caso e também questionou o papel da Controladoria Geral do Estado (CGE). “Onde estava a CGE nessa história toda?”.

CASO DE POLÍCIA

Laércio Schuster lamentou que o governo “colocou o Estado novamente nas páginas policiais”. “É um dia extremamente triste para o nosso estado. Porque mais uma vez a esperança do catarinense foi jogada fora”, afirmou.

Schuster lembrou que o governador foi eleito sob o que chamou de “chavão da nova política”. “Não gosto desta expressão. Não existe nova ou velha política. Existe política bem feita ou mal feita. Pela política, nos propusemos a produzir a arte do diálogo, com um único propósito: construir um estado mais justo, igualitário. E hoje, em vez de coisas propositivas, estamos falando de escândalo”, disse. “Quanto mais vão para a imprensa tentar se explicar, mais ficamos confusos. Vemos troca de acusação e o que mais me preocupa é o silêncio do governador”, completou.

O parlamentar do PSB revelou ter protocolado na CPI um pedido de acareação entre os envolvidos no caso e que deve apresentar requerimento de afastamento de Douglas Borba do cargo.

- Parceiro -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, informe seu nome